Aproveite o frete grátis

Botas Texanas em Cristalândia / Tocantins

Botas Texanas em Cristalândia / Tocantins

Buscando botas texanas femininas e masculinas em Cristalândia - Tocantins?

Acabou de encontrar! Aooo brutos e brutas de Cristalândia!



Nós da 7MBoots sabemos que Cristalândia - Tocantins  é repleta de gente bonita e alegre, eventos sertanejos, e por isso, gostaríamos de oferecer a vocês aquela dica de amigo do peito.

Vocês sabiam que um calçado confortável pode diminuir o estresse corporal, agregar bem-estar e até mesmo, melhorar o seu humor?

Pois é, ter comodidade nos pés faz toda a diferença. E quando todo o conforto se une com beleza, design e elegância indescritível?

Não é maravilhoso? Com as texanas da 7MBoots, isso é possível!

Quem já conhece nossos produtos sabe de toda a qualidade e durabilidade de cada um deles, e quem não conhece, precisa conhecer, afinal, só a 7MBoots oferece uma variedade incrível de botas texanas masculinas, femininas e infantis que agradam a todos os gostos e não decepcionam nos quesitos resistência e durabilidade.

No site da 7MBoots, você cowboy ou cowgirl, encontra botas texanas de bico quadrado, de bico redondo, além de modelos escamados, fabricados a partir de couro réplica de avestruz, com aplicações de bandeiras de países e muito mais!

Todos os nossos pares são fabricados em couro legítimo de maneira artesanal, para garantir a vocês a sensação de um calce perfeito, que proporciona flexibilidade única e bem-estar incomparável.

Corra já para o site e garanta a sua bota texana 7MBoots!

Nós garantimos uma entrega rápida e segura em Cristalândia, e em casos de trocas, não há motivos para preocupação, afinal, o nosso procedimento é bastante simples.

Escolha já a sua texana, e receba, na comodidade do seu lar, a sua mais nova companheira de aventuras.


Conheça um pouco mais sobre  Cristalândia Tocantins:

Gentílico: cristalandense

Histórico

HISTÓRICO MUNICÍPIO DE CRISTALÂNDIA

As primeiras incursões pelo território onde está situada a cidade de Cristalândia deram-se em 1939.

Benedito Pereira e Antônio Caetano de Meneses, passando um dia em exploração e caçada ao mesmo tempo pelos arredores e local onde hoje existe a cidade de Pium, já informados da existência de ouro e de cristal de rocha na mesma região, foram surpreendidos com pedaços de cristal na superfície da terra. Colhendo diversas amostras do produto encontrado, resolveram, diante da afloração muito abundante, explorar a região. Para tanto, muniram-se de ferramentas mais ou menos apropriadas e abriram diversas catas.
Daquelas perfurações obtiveram resultados satisfatórios, o cristal foi encontrado em grande quantidade e em pequena profundidade.

A deficiência de transporte, a zona desabitada, infestada pelos índios e pelas feras, a falta de gêneros de primeira necessidade para a manutenção dos exploradores, contribuíram para que eles levantassem acampamentos à procura de recursos, seguindo em demanda da vizinha cidade de Peixe. Naquela cidade procuraram a José Dias, de nacionalidade Uruguaia, era dado a mecânico, com pequena oficina para consertos de máquinas, etc. Inteligente com longa prática na vida, avaliou logo o valor de descoberta. Guardou a preciosa carga e organizou uma pequena bandeira, composta de alguns homens de sua confiança, voltanto às margens do ribeirão Piaus. Com poucos dias de trabalho já haviam conseguido extrair uma abastada partida. Voltaram a cidade de Peixe e resolveram ir a Anápolis expor à venda o produto da exploração. Naquela cidade quase ninguém se interessou pela aquisição do precioso mineral, o preço encontrado era irrisório. O Sr. Geraldo Scarpellini, que depois se tornou um dos mais importantes compradores de cristal e que naquela época residia na mesma cidade, comprou a partida por preço insignificante, procurou encorajá-los e, depois chegava a Peixe em um carro, de passagem para Piaus, levando ferros, víveres, medicamentos, etc. Outros carros foram levados com o mesmo fim e à custa de grandes sacrifícios e trabalhos, lutando contra a própria terra, conseguiram alcançar a meta desejada.

Meses depois os exploradores iniciaram as estradas rumo ao sul, em demanda de novas jazidas. Surgiu então o povoado de Itaporá, às margens do ribeirão do mesmo nome. Itaporé (do tupi: Ita=pedra; Porá=branca), isto é, Pedra Branca, cognominado leitosos, primeiros sinais de existência de cristais de rocha.

Em fins de 1943, foram construida as primeiras barracas no local, onde está edificada a cidade de Cristalândia, pertencentes uma ao senhor Pedro Ferreira Braz e a outra ao senhor Veincravel Reis.

Em 1948, o novo povoado, com a denominação de Chapada, foi elevado à categoria de Vila, por ato do então Prefeito de Porto Nacional, Antônio José de Oliveira; decorreram-se os anos; em meados de 1953, por força da Lei Estadual nº 742 de 23/06/1953, passava a gozar dos foros de cidade, já agora com a denominação de Cristalândia, nome escolhido pelos seus habitantes, em virtude da grande quantidade de cristal existente no seu subsolo. Em novembro do mesmo ano, por força da Lei Municipal nº 188 de 10/11/1953, foi criado o distrito de Dueré.

Em meados de 1955, o Município tomou parte no conclave "CONGRESSO NACIONAL DOS MUNICÍPOS NORTE GOIANO", realizado na cidade de Porto Nacional, onde tomaram parte diversas autoridades, inclusive o Sr. Pelópidas Barros, Prefeito Municipal de Cristalândia.

Em 26 de abril de 1956, o Papa Pio XII, cria a Prelazia de Cristalândia pela Bula "Ne quid filiis", com o território desmembrado das supressas Prelazias de Sant'Ana da Ilha do Bananal. Foi confiada pela Santa Sé aos cuidados da Ordem dos Frades Menores. O 1º Bispo - prelado foi Dom Jaime Antônio Shuck, OFM, natural de Pensilvânia, USA, sagrado em 24/02/59.

Cristalândia, 1970

Separamos alguns produtos para você