Botas Texanas em Altamira / Pará

Botas Texanas em Altamira / Pará

Buscando botas texanas femininas e masculinas em Altamira - Pará?

Acabou de encontrar! Aooo brutos e brutas de Altamira!



Nós da 7MBoots sabemos que Altamira - Pará  é repleta de gente bonita e alegre, eventos sertanejos, e por isso, gostaríamos de oferecer a vocês aquela dica de amigo do peito.

Vocês sabiam que um calçado confortável pode diminuir o estresse corporal, agregar bem-estar e até mesmo, melhorar o seu humor?

Pois é, ter comodidade nos pés faz toda a diferença. E quando todo o conforto se une com beleza, design e elegância indescritível?

Não é maravilhoso? Com as texanas da 7MBoots, isso é possível!

Quem já conhece nossos produtos sabe de toda a qualidade e durabilidade de cada um deles, e quem não conhece, precisa conhecer, afinal, só a 7MBoots oferece uma variedade incrível de botas texanas masculinas, femininas e infantis que agradam a todos os gostos e não decepcionam nos quesitos resistência e durabilidade.

No site da 7MBoots, você cowboy ou cowgirl, encontra botas texanas de bico quadrado, de bico redondo, além de modelos escamados, fabricados a partir de couro réplica de avestruz, com aplicações de bandeiras de países e muito mais!

Todos os nossos pares são fabricados em couro legítimo de maneira artesanal, para garantir a vocês a sensação de um calce perfeito, que proporciona flexibilidade única e bem-estar incomparável.

Corra já para o site e garanta a sua bota texana 7MBoots!

Nós garantimos uma entrega rápida e segura em Altamira, e em casos de trocas, não há motivos para preocupação, afinal, o nosso procedimento é bastante simples.

Escolha já a sua texana, e receba, na comodidade do seu lar, a sua mais nova companheira de aventuras.


Conheça um pouco mais sobre  Altamira Pará:

Gentílico: altamirense

Histórico

Altamira
Pará - PA

Histórico

O primeiro homem branco a subir no rio Xingu, ultrapassando o trecho encachoeirado da Volta Grande, em meados do século XVII, foi o jesuíta Roque de Hundefund, que fundou uma missão (aldeamento de silvícolas para a catequese) no médio Xingu, próximo à foz do igarapé Panelas.
Com a ascensão ao poder em Portugal do Marquês de Pombal, as obras dos jesuítas foram irremediavelmente perdidas. Somente em 1841, o Pe. Antônio Torquato de Souza, da Paróquia de Souzel, reabre a picada que ligava, por terra, o igarapé Tucuruí, no baixo Xingu, à Missão Imperatriz, mais acima. Foi aberta uma picada, ligando o baixo ao médio Xingu que o Cel. Francisco Gayoso tentou transformar em estrada, já agora apoiado pelo braço escravo africano. Foi, porém surpreendido pela Lei Áurea que o privou do trabalho escravo.
Em 1880, Agrário Cavalgante retomou os trabalhos do Cel. Gayoso, retificando o traçado da estrada, partindo do local onde se encontra hoje a Sede do município de Vitória do Xingu e chegando à foz do igarapé Ambé, ali construindo um Forte que recebeu sua denominação.

Gentílico: abaetetubense

Formação administrativa

Elevado à categoria de município e distrito com a denominação de Altamira, pela lei estadual nº 1234, de 06-11-1911, desmembrado de Sousel. Sede na atual vila de Altamira. Constituído do distrito sede. Instalado em 01-01-1912.
Elevado à condição de cidade com a denominação de Altamira, pela lei estadual nº 1604, de 27-09-1917.
Em divisão administrativa referente ao ano de 1933, o município é constituído do distrito sede.
Pela lei estadual nº 8, de 31-10-1935, Altamira passou a denominar-se Xingu. Sob a mesma lei adquiriu o distrito de Porto de Moz do município de Gurupá.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1936, o município aparece constituído de 11 distritos: Altamira, Novo Horizonte, São Felix, Porto de Moz, Tapará, Vilarinho de Monte, Vieiros, Pombal, Aquiqui, Sousel e Alto Xingú. Todos os distritos pertencente ao extinto município de Porto de Moz.
Em divisão territorial datada de 1937, o município é constituído de 3 distritos: Altamira, Novo Horizonte e São Felix.
Pelo decreto estadual nº 2805, de 10-12-1937, desmembra os município de Xingu os distritos de Porto de Moz, Vieiros e Vilarinho do Norte. Para formar novamente o município de Porto de Moz.
Pelo decreto-lei estadual nº 2972, de 31-03-1938, o município de Xingú voltou a denominar-se de Altamira. Sob o mesmo decreto são extintos os distritos de Tapará e Vieiros, sendo seus territorios anexados ao distrito sede de Porto de Moz.
Pelo decreto-lei estadual nº 3131, de 31-10-1938, o distrito de São Felix é extinto, sendo seu território anexado ao distrito de Novo Horizonte, do mesmo município de Altamira. Sob a mesma lei o distrito de Alto Xingu é extinto, sendo seu território anexado ao distrito de Sousel do município de Porto de Moz.
Pelo decreto-lei estadual nº 4505, de 30-12-1943, o distrito de Novo Horizonte passou a denominar-se Gradaús.
Em divisão territorial datada de 1-VII-1950, o município é constituído de 2 distritos: Altamira e Gradaús ex-Novo Horizonte.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 1-VII-1960.
Pela lei estadual nº 2460, de 29-12-1961, desmembra do município de Altamira o distrito de Gradaús. Para formar o novo município de São Félix do Xingu.
Em divisão territorial datada de 31-XII-1963, o município é constituído do distrito sede.
Pela lei estadual nº 1139, de 11-05-1965, é criado o distrito de Vitória e anexado ao município de Altamira.
Em divisão territorial de 1-I-1979, o município é constituído de 2 distritos: Altamira e Vitória.
Pela lei estadual nº 5701, de 13-12-1991, desmembra do município de Altamira, o distrito de Vitória. Elevado à categoria de município com a denominação Vitória do Xingu.
Em divisão territorial datada de 1-VI-1995, o município é constituído do distrito sede.
Assim permanecendo em divisão territorial datada de 2005.

Alteração toponímicas municipais
Altamira para Xingu alterado, pela lei estadual nº 8, de 31-12-1935.Xingu para Altamira alterado, pelo decreto-lei estadual nº 2972, de 31-03-1938.

Separamos alguns produtos para você